Make your own free website on Tripod.com

BÔNUS DO BANCO CENTRAL

            São títulos de curto prazo emitidos pelo Banco Central do Brasil (BACEN) para captação de recursos destinados ao atendimento das necessidades de caixa do Tesouro Nacional; parte substancial das emissões é adquirida pelas instituições financeiras para lastreamento das operações de open-market e para compor as carteiras dos fundos de investimentos em renda fixa, variável e de commodities. São sempre emitidos numa quarta-feira e com vencimento também numa quarta, portanto, com prazos múltiplos de 7; atualmente são mais comuns os de 28, 35 e 42 dias.

            Na negociação desses títulos, como também nas LTN, os agentes de mercado partem de um valor de resgate hipotético de $ 1.000,00. E, considerando que o prazo e a taxa de juros, determinam seu valor de compra ou venda, denominado de PU (preço unitário). Embora o mercado brasileiro, no caso dessas operações, esteja atualmente trabalhando com o prazo representado por número de dias úteis, vamos considerar sempre dias corridos. Essa decisão deve-se ao fato de a utilização de dias corridos ser uma norma universal, e porque considero esse critério o mais correto.

EXEMPLO

                Em um leilão efetuado pelo BACEN, um Banco adquire BBC com prazos de 28 e 35 dias, ambas cotadas a uma taxa de juros de 37% ao ano. Calcular, para os dois prazos mencionados, o preço pago pelo Banco para cada $ 1.000,00 de resgate.

Solução

a.                para o prazo de 28 dias

A partir da fórmula do montante para juros compostos, tem-se que:

 

O valor presente PV = $ 975,81 constitui-se no chamado PU (preço unitário). Assim, no caso deste exemplo, o PU nada mais é do que o valor atual do título, para cada $ 1.000,00 de resgate. A “unidade”, que neste caso é igual a $ 1.000,00, poderia ser de $ 1,00, $ 10,00, $ 100,00 ou qualquer outro valor.

b.                para o prazo de 35 dias