Make your own free website on Tripod.com

COMMERCIAL PAPERS

(Notas Promissórias)

 

São títulos[1] de curto prazo que as empresas por sociedades anônimas (S.A.) emitem, visando captar recursos no mercado interno para financiar suas necessidades de capital de giro. É uma alternativa às operações de empréstimos bancários convencionais, permitindo geralmente uma redução nas taxas de juros pela eliminação da intermediação financeira bancária (spread). Os commercial papers imprimem ainda maior agilidade às captações das empresas, determinada pela possibilidade de os tomadores negociarem diretamente com os investidores de mercado (bancos, fundos de pensão, etc.). As instituições financeiras, as sociedades corretoras e distribuidoras de valores mobiliários e sociedades de arrendamento mercantil (empresas de leasing), não podem emitir esses títulos.

Os custos de emissão destes títulos são, em geral, formados pelos juros pagos aos aplicadores, comissões e despesas diversas (publicações, taxas de registro na Comissão de Valores Mobiliários, etc.). Os commercial papers negociados em Bolsas de Valores previstos na Instrução CVM nº 217, de 2-8-94, não estão sujeitos à tabela de corretagem adotada pelos membros das Bolsas de Valores

Os commercial papers costumam ser negociados com descontos, sendo seu valor de face pago por ocasião do resgate. Os títulos podem ser adquiridos no mercado ou por meio de fundos de investimentos. Eles podem ser transferidos de titularidade mediante endosso em preto e o IE (índice de endividamento) da empresa emissora não poderá exceder a 1,2. A empresa emissora deverá possuir registro atualizado junto à CVM.

 

EXEMPLO

 

Admita que uma empresa tenha emitido $ 3,5 milhões  em commercial papers por 180 dias. A remuneração oferecida aos aplicadores é uma taxa de desconto de 1,2% a.m. (7,2% a.s.). A empresa incorre, ainda, em despesas diversas equivalente a 0,4% do valor da emissão.

Calcular o valor líquido recebido pela empresa emitente e o  custo efetivo mensal da operação

SOLUÇÃO

 

Valor Líquido Recebido

 

Valor Nominal .................................$ 3.500.000,00

Desconto .....3.500.000 * 7,2% ...................(252.000,00)

Despesas diversas....3.500.000 * 0,4%..............(14.000,00)

VALOR LÍQUIDO RECEBIDO.........................$ 3.234.000,00

 

Custo Efetivo

 

i =    – 1 = 0,013261   ou        1,3261% a.m.

 

Na HP 12C, temos

 

f fin f 4

3234000   CHS  PV

3500000   FV

 6  n

 i

 

EXEMPLO

 

            Supondo-se que o departamento de planejamento financeiro de uma empresa de capital aberto identificou uma necessidade de capital de giro de R$ 2.000.000,00para os próximos 30 dias, e estudou as seguintes condições para obter o recurso através de uma emissão de commercial paper:

 

Para viabilizar a captação, a empresa deve oferecer ao investidor (comprador) do commercial paper uma remuneração de capital acima do custo de oportunidade. Adotaremos 0,95% a.m.

Calcular a taxa real efetiva de emissão deste commercial paper.

Solução

O Fluxo de Caixa da emissão é:

      2.000.000,00 (CE – captação pela emissão)

 

 

        0                            1              mês

 

 

 

   21.000 (DE – despesas de emissão)    2.019.000,00 (RE – resgate)

 

      A taxa efetiva i de emissão dos commercial papers pode ser obtida através da seguinte expressão:

 

       = 1,61% a.m.

      Esta taxa i deve ser comparada com as demais alternativas de financiamento disponíveis para a empresa.

 

 

Questões para Pesquisa:

  1. Por que somente as empresas de capital aberto podem emitir commercial paper?
  2. Quais os principais requisitos para maior desenvolvimento do mercado de commercial paper no Brasil?
  3. Como a taxa de juros influencia nas emissões de commercial paper?


[1] Título de valor mobiliário, assim considerado pela Resolução nº 1.723 do CMN – Conselho Monetário Nacional, de 27-6-1990